NOTÍCIAS
compartilhar este link
Briga de Titãs

28/11/2016 15:17:21
Taeq lança Cajuína Orgânica

17/11/2016 15:22:32
Morre Toninho Pratinha

21/10/2016 16:50:20
O futuro da Hanjin à deriva

04/10/2016 14:24:25
Ameaça de embargo

22/08/2016 14:58:11
Cuidados no pomar

04/08/2016 13:03:39
Sufresh FLIP chega ao mercado

20/07/2015 12:58:49
O suco que bate um bolão

16/03/2015 18:03:36
Consumo em queda

04/03/2015 09:06:51
O supersuco da Purity Organic

02/12/2014 15:27:46
Zone 8 lança chás premium

28/11/2014 17:29:15
Alta interrompida

25/11/2014 18:50:14
Suco volta a subir na Bolsa

21/10/2014 19:19:55
Edeka veta transgênicos

15/09/2014 07:37:58
Uma salada para beber

12/09/2014 13:02:00
O novo suco da Mello

09/09/2014 12:51:19
Suco volta a cair

08/09/2014 12:50:22
Suco volta a fechar em baixa

02/09/2014 12:47:06
Demanda enfraquece cotações

28/08/2014 12:37:42
A nova onda da Campbell

28/08/2014 12:36:27
O super suco da Juxx

28/08/2014 12:34:27
Vita Coco quer reinar na China

25/08/2014 12:29:49
O suco das Arábia

20/08/2014 12:28:16
Safra farta no Marrocos

18/08/2014 12:27:09
A laranja gigante

14/08/2014 12:21:44
Suco volta a subir na Bolsa

14/08/2014 12:21:44
Produção estável no Sul

06/08/2014 12:15:39
Mercado em baixa

05/08/2014 12:15:39
Laranja menor, lucros maiores

30/07/2014 11:56:33
Tempestade na demanda

29/07/2014 11:56:33
Suco estável

28/07/2014 11:56:33
Sem tempestade no radar

24/07/2014 11:56:33
Medo do furacão

22/07/2014 11:56:33
Em busca de direções

17/07/2014 12:16:24
Suco recua em NY

10/07/2014 11:49:32
Clima de alta

03/07/2014 11:44:03
Tempestades vem, suco sobe

02/07/2014 11:44:03
Queda mantida

30/06/2014 11:42:27
Queda se mantém

26/06/2014 11:19:54
Em busca de novas plantas

24/06/2014 11:19:54
A ciência gordurosa

24/06/2014 11:19:54
A próxima revolução verde

23/06/2014 11:19:54
O novo Captain Citrus

18/06/2014 10:54:40
Laranja para curtir

28/05/2014 10:45:00
Exportações do Agro passam de 51% do total do Brasil

Marcos Fava Neves e Rafael Bordonal Kalaki - 22/06/2015 - Setor comercializou US$ 8,64 bilhões em maio

As exportações do agro em maio (US$ 8,64 bilhões) se comparadas com o mesmo período de 2014 (US$ 9,66 bi), diminuíram 10,5%. Essa queda levou a um saldo do agro de US$ 7,61 bi (7,6% menor).

O valor exportado acumulado no ano (US$ 34,1 bilhões) apresentou uma queda de 13,6% quando comparado com o mesmo período do ano de 2014 (US$ 39,5 bilhões). O saldo da balança do agro foi positivo neste período (US$ 28,1 bi), porém também apresentou queda de 13,1%. Se continuarmos nesse ritmo, fecharíamos 2015 com um montante de apenas US$ 82 bi.
 
Os demais produtos brasileiros fora do agro também tiveram uma drástica  queda de 26,7% nas exportações (US$ 11,1 bi em 2014, para US$ 8,1 bi em 2015), o que levou a participação do agronegócio nas exportações brasileiras alcançarem incríveis 51,5% em relação ao total. 
 
O saldo da balança brasileira em maio foi de US$ 2,8 bi. Já a balança acumulada no ano teve um grave déficit de US$ 2,3 bilhões. Mesmo em queda, o agro evitou um desastre ainda maior na economia brasileira. Sem o agro, a balança comercial estaria negativa em US$ 30,4 bi.
 
Neste maio, os campeões no aumento das exportações em relação a 2014 foram respectivamente: açúcar refinado (aumentou US$ 62,3 milhões em relação a maio 2014) e suco de laranja (US$ 43,9 mi). 
 
Os principais produtos que diminuíram as exportações e contribuíram negativamente para a meta foram: soja em grãos (queda de US$ 253,6 milhões), carne bovina in natura (US$ 140,3 mi), farelo de soja (US$ 110,5 mi) e carne de frango in natura (US$ 110,3 mi).
 
Nos mercados de destino dos produtos do agro brasileiro, os 10 principais países que mais cresceram suas importações foram: Irã (US$ 80,0 milhões a mais que em maio de 2014), Tailândia (US$ 79,5 mi), Portugal (US$ 55,1 mi), Tunísia (US$ 40,9 mi), Egito (US$ 39,1 mi) e Arábia Saudita (US$ 37,7 mi).
 
O Brasil também perdeu vendas em alguns mercados, com destaque para China (US$ 224,8 milhões a menos que em maio de 2014), Estados Unidos (US$ 198,5 mi), Venezuela (US$ 171,1 mi) e Países Baixos (US$ 125,2 mi).
 
As importações do agronegócio comparando-se maio de 2014 com maio de 2015 diminuíram 27,5%, seguindo a tendência de queda observada ao longo de 2013 e 2014, já refletindo efeitos do campo. 
 
O ano de 2015 não anda bem para as exportações do agro. Tivemos um primeiro quadrimestre de queda considerável nas exportações em relação a 2014, e em maio esta tendência continuou, principalmente do complexo soja, cana e carnes. Interessante observar que os principais mercados brasileiros também foram os que apresentaram maiores quedas em suas importações, principalmente a China, Estados Unidos, Europa e Russia. 
 
Apesar do desempenho corrente, continuamos garantindo um saldo para a balança comercial do agronegócio brasileiro e buscando garantir também um saldo para a balança comercial do país. Porém, até o momento, o dólar mais forte não trouxe o impacto que esperávamos.