NOTÍCIAS
DO MERCADO
compartilhar este link
O pior inimigo do greening

04/02/2020 14:55:16
Britânicas anunciam fusão

11/06/2015 16:51:29
Pode ser Pepsi na NBA?

24/04/2015 16:52:15
H2Coco lança mix com café

17/04/2015 12:55:19
Starbucks aposta em delivery

24/03/2015 11:49:58
Imposto tira gás da FEMSA

16/12/2014 15:33:52
Vita Coco quer reinar na China

20/10/2014 18:19:05
MacTangerina no cardápio

02/10/2014 14:29:13
Exportações barradas

02/07/2014 11:44:03
Rótulos da discórdia

26/06/2014 11:19:54
De olho na dieta britânica

25/06/2014 11:19:54
Nova Coca-cola chega à Europa

11/06/2014 10:54:40
Ampliando mercado

23/05/2014 10:44:00
A batalha do açúcar

07/05/2014 18:07:00
Aguá pra inglês beber

06/05/2014 12:15:00
Salvação na embalagem

16/04/2014 12:11:00
O novo energético da Coca

04/04/2014 11:21:00
TV desligada

26/03/2014 15:21:00
Laranja fora da TV

18/03/2014 12:18:00
O futuro dos energéticos

13/03/2014 17:11:00
Pepsi em cápsulas

11/03/2014 13:35:00
Pepsi aposta no México

27/01/2014 13:47:00
De olho na caxinha

24/01/2014 16:43:00
Vendas não reagem nos EUA

19/12/2013 17:12:00
Dubai sem sede

18/10/2013 12:00:00
Mapa do varejo

23/09/2013 14:48:00
Suco tenta reagir nos EUA

17/09/2013 14:02:00
Suco aposta na TV

12/09/2013 12:29:00
Laranjas da África

09/09/2013 15:01:00
Monster quer entrar na Índia

15/08/2013 16:34:00
Frutas perdem espaço

25/07/2013 11:57:00
Tropicana de cara nova

14/06/2013 10:29:00
Nova York contra os sucos

04/06/2013 12:23:00
Purity mostra suas armas

06/05/2013 12:20:00
Portas abertas para a Turquia

26/04/2013 10:39:00
Investimentos à francesa

24/04/2013 11:48:00
Xenergy vai a luta

23/04/2013 12:31:00
Maçã no vermelho

23/04/2013 11:41:00
Surge mais uma gigante

22/04/2013 14:54:00
O que a Arábia quer beber

15/04/2013 16:44:00
Lucros monstruosos

12/04/2013 15:25:00
De roupa nova

25/03/2013 13:00:00
Água no refrigerante

18/03/2013 12:31:00
As bolhas da Honest Tea

13/03/2013 11:49:00
Monster made in Japan

31/01/2013 12:39:00
Sinal verde do CADE

04/01/2013 10:42:00
Coca-Cola mira no longo prazo e mantém investimentos

Portal Exame - 20/01/14 - De acordo com o vice-presidente de Comunicação da empresa, Marco Simões, o planejamento da companhia tem como horizonte o médio e o longo prazo

A aceleração da inflação e o crescimento dos rendimentos em ritmo menor não assustam a Coca-Cola Brasil na hora de avaliar seus investimentos no país.

De acordo com o vice-presidente de Comunicação da empresa, Marco Simões, o planejamento da companhia tem como horizonte o médio e o longo prazo, tempo em que, na sua avaliação, o Brasil voltará a crescer com mais vigor.

"Nós sabemos que o Brasil tem uma capacidade de crescimento bastante grande, e que vai crescer no médio e no longo prazo. Por isso nós mantemos nossos investimentos mesmo que o resultado trimestral ou até anual possam ser inferiores ao período anterior", afirmou Simões, em referência à desaceleração nas vendas observada a partir do segundo trimestre do ano passado, que resultou em queda de 1% nas vendas no terceiro trimestre.

Os dados dos últimos três meses do ano, de acordo com o vice-presidente, serão divulgados em fevereiro. Segundo Simões, várias razões influenciaram a queda nas vendas, entre elas a redução na disponibilidade de renda, apesar da situação de pleno emprego. Além disso, o clima frio e chuvoso que predominou durante dez meses em 2013 foi desfavorável ao mercado de consumo imediato (que inclui bares e restaurantes).

Para 2014, as previsões de menor crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e aceleração da inflação são vistas por Simões como "movimentos cíclicos da economia", o que não entra na conta do planejamento de longo prazo. "Quando se constrói ou amplia uma fábrica, isso é feito para durar 10 ou 20 anos. Nós não podemos nunca nos deixar guiar por previsões, nem positivas, nem negativas, no curtíssimo prazo. E um ano é curtíssimo prazo. Então, previsões de um ano não afetam nosso investimento", ressaltou.

A Coca-Cola Brasil não divulga quanto será o investimento da empresa no País em 2014. Mas o plano quinquenal previa desembolso de R$ 14,1 bilhões entre 2012 e 2016. Até agora, foram investidos R$ 2,8 bilhões em 2012 e R$ 2,6 bilhões no ano passado.

"A área de bebidas envasadas não alcoólicas vai continuar crescendo nos próximos anos. Estimamos que até 2020 haverá um mercado significativamente superior. Claro que tem anos maiores, outros menores, mas a gente acredita em um crescimento consistente no longo prazo", disse Simões.

Durante o período de realização da Copa do Mundo, Simões prevê um pico de vendas. "Copa do Mundo é sempre um fator positivo para a nossa indústria. Toda vez que tem Copa em qualquer lugar do mundo, nós temos um resultado significativamente maior naquele período", disse.