NOTÍCIAS
compartilhar este link
Marketing de US$ 5 milhões

07/07/2020 10:01:25
Tarifa abre disputa na Espanha

26/06/2020 10:10:33
Greening assusta Califórnia

11/02/2020 10:36:02
Bem vindo, suco de laranja

10/02/2020 10:54:48
Limão azedo na Argentina

29/01/2020 14:41:02
Notícias pelo mundo

13/12/2019 16:40:13
Notícias pelo mundo

06/12/2019 16:45:44
Notícias pelo mundo

29/11/2019 16:49:04
Clima favorece pomares

08/02/2019 11:36:47
Greening perto de zero

21/05/2018 11:12:28
07/01/2021
Indústria de suco de laranja defende acordos bilaterais

Negociações da Coreia do Sul com diferentes parceiros praticamente fecharam as portas do país asiático para o produto brasileiro

Por Fernando Lopes, Valor Econômico - Acordos comerciais estabelecidos pela Coreia do Sul com diferentes parceiros nos últimos anos praticamente fecharam as portas do país asiático para o suco de laranja brasileiro. Com a demanda global pela bebida em queda há mais de uma década, apesar de uma relativa reação em países como os Estados Unidos em meio à pandemia, a perda do mercado sul-coreano é encarada pela indústria exportadora como um alerta sobre a importância de o Brasil também se dedicar a negociações bilaterais para garantir espaço para produtos do setor de agronegócios.

 

Análise da Associação Brasileira dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), que representa as três maiores exportadoras de suco de laranja do país e do mundo (Citrosuco, Cutrale e Louis Dreyfus Company), mostra que, com quase 52 milhões de habitantes e Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 1,6 trilhão em 2019, mais que o dobro que em 2003, a Coreia do Sul é um mercado cobiçado que importou apenas 46 toneladas de suco de laranja concentrado e congelado do Brasil na safra 2019/20 (encerrada em junho do ano passado), ante 33,6 mil em 2002/02 (US$ 28 milhões).

 

Maior exportador de suco de laranja do mundo, responsável por cerca de 80% dos embarques totais, o Brasil exportou pouco mais de 1 milhão de toneladas equivalentes ao FCOJ em 2019/20 - o país também vende o suco pronto para beber (NFC) -, ou quase US$ 1,8 bilhão. Como acontece há décadas, as vendas foram direcionadas sobretudo à União Europeia, aos Estados Unidos e ao Japão, e avanços expressivos dependem da consolidação das vendas em países como a China e de condições vantajosas para acessar outras fronteiras.

 

É nesse caso que se encaixa a Coreia do Sul. O país estabeleceu, na Organização Mundial do Comércio (OMC), uma tarifa ad valorem de 54% que pode ser cobrada de todos os exportadores, mas acordos celebrados por Seul com EUA e UE - mas não com Brasília - tiraram o Brasil do jogo. Segundo a CitrusBR, o acordo com os EUA foi assinado em 2012, e já no ano seguinte os americanos, com tarifa zero, se tornaram os maiores exportadores de suco de laranja para o mercado sul-coreano.

 

Em 2015, destaca o estudo da entidade, foi firmado o acordo comercial entre Coreia do Sul e UE, e entre 2017 e 2019 o suco europeu, mesmo sendo a UE um grande bloco importador do produto, conseguiu “roubar” parte do espaço ocupado pelo americano no país asiático.