NOTÍCIAS
compartilhar este link
NOTA: CitrusBR e o Consecitrus

22/09/2017 16:11:36
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
Modelo Consecitrus II

04/02/2014 16:13:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Momento de unir forças

01/11/2013 12:43:00
A safra de Steger

19/08/2013 19:09:00
Informação compartilhada

09/08/2013 11:09:00
11/05/2017
Safra 2017/2018 é estimada em 364,47 milhões de caixas

Número divulgado pelo Fundecitrus é 48,5% maior em relação a safra passada e 14% acima da média histórica dos últimos 10 anos

A safra de laranja 2017/18 do principal parque citrícola do Brasil – que engloba 349 municípios de São Paulo e Minas Gerais – deverá ser de 364,47 milhões de caixas de 40,8 kg, segundo estimativa do Fundecitrus – Fundo de Defesa da Citricultura, anunciada nesta quarta-feira (10). A produção é 14% maior do que a média histórica dos últimos dez anos.

Desse total, 68,49 milhões de caixas são das variedades Hamlin, Westin e Rubi; 17,42 milhões das variedades Valência Americana, Valência Argentina, Seleta e Pineapple;114,52 milhões da variedade Pera Rio; 123,04 milhões das variedades Valência e Valência Folha Murcha e 41 milhões da variedade Natal.

As árvores produtivas das variedades que compõem esta estimativa totalizam 174,78 milhões. A emissão e o pegamento das floradas da safra 2017/18, que ocorreu entre os meses de agosto e dezembro de 2016, foi favorecida pela baixa produção da safra anterior, o que proporcionou um descanso do ciclo reprodutivo e resultou no aumento das reservas energéticas das árvores do parque citrícola em geral.

As condições climáticas observadas nesse período também colaboraram para o aumento da produtividade. Em julho, os estresses hídrico e termal provocados pelas noites frias (média de 12 ºC no cinturão citrícola) seguidas por dias quentes e secos (média de 27,3 ºC) favoreceram a indução floral com a chegada das primeiras chuvas em agosto de 2016, exceção feita às regiões do Triângulo Mineiro, Altinópolis e Matão que tiveram o início das chuvas regulares em outubro.

Diante desses fatos, o número médio de frutos apurado nesta safra é de 753 laranjas por árvore, podendo variar em 1,9% para mais ou para menos.

A taxa de queda média estimada é de 18,5%. O índice projetado é superior aos apurados nas safras anteriores e está relacionado a um maior volume de produção esperado nesta safra, o que pode provocar um prolongamento do período de colheita, aumentando a exposição dos frutos às pragas e doenças com potencial de gerar queda de frutos.

O tamanho médio estimado é de 265 frutos por caixa de 40,8 kg. Frutos menores são esperados nesta safra em função da grande quantidade de laranjas nas árvores que concorrendo entre si limitam seus potenciais de crescimento.

A Pesquisa de Estimativa de Safra é realizada pelo Fundecitrus em cooperação com a Markestrat, Unesp e FEA/RP-USP.