NOTÍCIAS
compartilhar este link
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
Modelo Consecitrus II

04/02/2014 16:13:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Momento de unir forças

01/11/2013 12:43:00
A safra de Steger

19/08/2013 19:09:00
Informação compartilhada

09/08/2013 11:09:00
Os caminhos da citricultura

25/04/2013 13:01:00
Citricultura na TV

11/04/2013 15:11:00
Laranjas em queda

11/04/2013 14:24:00
Doenças avançam

08/04/2013 12:23:00
Novos rumos para a laranja

13/03/2013 16:02:00
Os números da safra

08/03/2013 15:47:00
O mapa dos citros na Europa

03/01/2013 11:29:00
Menos laranja na Flórida

12/12/2012 15:06:00
Europa desvendada

16/10/2012 15:29:00
16/02/2017
Lucro da PepsiCo recua 18% no quarto trimestre

Valor Econômico Segundo afirmou a companhia foram vários os fatores que contribuíram para essa queda, entre elas algumas reestruturações na empresa e a variação cambial.

A fabricante de alimentos e bebidas PepsiCo encerrou o quarto trimestre de 2016 com lucro líquido de US$ 1,40 bilhão, queda de 18% em comparação ao mesmo intervalo do anterior. O lucro diluído por ação caiu 17%, para US$ 0,97, ante US$1,17 um ano antes. O resultado no quarto trimestre sofreu impacto de gastos relacionados à previdência, reestruturação, alta de commodities e variação cambial.

"Cumprimos ou ultrapassamos todos os objetivos fixados para 2016, ao mesmo tempo em que proporcionamos um bom equilíbrio entre o desempenho das receitas e da produtividade", afirmou em relatório o presidente do conselho de administração e presidente executivo da Pepsi, Indra Nooyi. "Olhando para 2017, esperamos um sólido desempenho financeiro, apesar da expectativa de desafios macroeconômicos".

A receita líquida avançou 5% de outubro a dezembro, para US$ 19,52 bilhões. Excluindo o impacto cambial, a receita teria aumentado 3,7%. Na América Latina, as vendas tiveram queda de 17%, resultado devido principalmente a perdas com a variação cambial. Excluindo esse efeito, as vendas aumentaram 9% em receita. Em volume, houve alta de 3% em petiscos e queda de 2% em bebidas. As vendas globais aumentaram 3% em volume na parte de petiscos e 2% na área de bebidas.

Os custos de vendas cresceram 5% no quarto trimestre, para US$8,94 bilhões. As despesas de vendas, gerais e administrativas aumentaram 4%, chegando a US$ 8,17 bilhões. O lucro operacional atingiu US$2,38 bilhões, 6% acima do registrado no quarto trimestre de 2015.

No acumulado de 2016, o lucro líquido aumentou 16%, para US$6,33 bilhões. O lucro diluído por ação aumento 19%, chegando a US$4,36. A receita ficou praticamente estável, em US$62,80 bilhões.

Para 2017, a companhia informou que espera um crescimento na receita de pelo menos 3%, excluindo o efeito de variação cambial. A companhia também espera um lucro por ação de US$5,09 no ano. Esse valor considera um crescimento no lucro de 8%, com um impacto negativo relacionado à variação cambial da ordem de 3%.