NOTÍCIAS
compartilhar este link
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
Modelo Consecitrus II

04/02/2014 16:13:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Momento de unir forças

01/11/2013 12:43:00
A safra de Steger

19/08/2013 19:09:00
Informação compartilhada

09/08/2013 11:09:00
Os caminhos da citricultura

25/04/2013 13:01:00
Citricultura na TV

11/04/2013 15:11:00
Laranjas em queda

11/04/2013 14:24:00
Doenças avançam

08/04/2013 12:23:00
Novos rumos para a laranja

13/03/2013 16:02:00
Os números da safra

08/03/2013 15:47:00
O mapa dos citros na Europa

03/01/2013 11:29:00
Menos laranja na Flórida

12/12/2012 15:06:00
Europa desvendada

16/10/2012 15:29:00
23/01/2017
Suco de laranja segue entre os mais exportados de 2016

Portal do Agronegócio - 23/01/2017 - Os sucos tiveram um acréscimo de 0,87% nas exportações foram o terceiro produto na pauta de exportação do agronegócio paulista no ano passado e geraram US$ 1,81 bilhão.

No ano de 2016, o agronegócio no Estado de São Paulo registrou um superávit de US$ 13,40 bilhões, representando um aumento de 23,4% em relação ao resultado da Balança Comercial de 2015, quando houve um déficit de US$ 18,13 bilhões, de acordo com Instituto de Economia Agrícola (IEA), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Os sucos tiveram um acréscimo de 0,87% nas exportações foram o terceiro produto na pauta de exportação do agronegócio paulista no ano passado e geraram US$ 1,81 bilhão – dos quais 98,1% são referentes ao suco de laranja _, ficando atrás apenas dos produtos do complexo sucroalcooleiro (US$ 7,78 bilhões) e das carnes (US$ 2,01 bilhão), e ficando à frente dos produtos florestais (US$ 1,52 bilhão) e do complexo soja (US$ 1,34 bilhão). Esses cinco agregados representaram 81,4% das vendas externas do agronegócio paulista. Apesar da classificação de grupos se manter a mesma do ano anterior, eles passaram a ser 3,6% mais representativos no total do comércio externo brasileiro do que em 2015.

No ano passado, as exportações paulistas tiveram um crescimento de 12,8%, atingindo US$ 17,92 bilhões, enquanto as importações setoriais caíram 10%, somando US$ 4,52 bilhões.

No cenário brasileiro, o agronegócio registrou um superávit de US$ 71,30 bilhões, com exportação de US$ 84,93 bilhões e importações de US$ 13,63 bilhões. O resultado foi 5,1% inferior ao do ano passado, quando o saldo da Balança Comercial foi de US$ 75,15 bilhões.

“O comércio exterior brasileiro só não foi deficitário devido ao desempenho do agronegócio, uma vez que os demais setores, com exportações de US$ 100,31 bilhões e importações de US$ 123,92 bilhões, produziram no período um déficit de US$ 23,61 bilhões”, afirmou o pesquisador da Secretaria, que atua no IEA, José Roberto Vicente.

Dentre os produtos brasileiros, os que tiveram maior representatividade foram o complexo soja (US$ 25,42 bilhões); as carnes (US$ 14,21 bilhões); o complexo sucroalcooleiro (US$ 11,34 bilhões); os produtos florestais (US$ 10,24 bilhões); e o café (US$ 5,47 bilhões).

Os sucos de frutas representam o oitavo grupo do agronegócio brasileiro nas exportações até setembro, com US$ 2,1 bilhão, o que representa um aumento de 2,67%, em relação ao mesmo período do ano passado, mas ocupa uma fatia 2,48% das exportações do agronegócio brasileiro.