NOTÍCIAS
compartilhar este link
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
Modelo Consecitrus II

04/02/2014 16:13:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Momento de unir forças

01/11/2013 12:43:00
A safra de Steger

19/08/2013 19:09:00
Informação compartilhada

09/08/2013 11:09:00
Os caminhos da citricultura

25/04/2013 13:01:00
Citricultura na TV

11/04/2013 15:11:00
Laranjas em queda

11/04/2013 14:24:00
Doenças avançam

08/04/2013 12:23:00
Novos rumos para a laranja

13/03/2013 16:02:00
Os números da safra

08/03/2013 15:47:00
O mapa dos citros na Europa

03/01/2013 11:29:00
Menos laranja na Flórida

12/12/2012 15:06:00
Europa desvendada

16/10/2012 15:29:00
04/01/2017
Grupo britânico compra a brasileira Bela Ischia

Estadão - 04/01/2017 - Após adquirir a Ebba, dona da Maguary, em 2015, Britvic arrematou fabricante mineira de sucos por R$ 218 milhões



O grupo britânico de refrigerantes Britvic anunciou nesta terça-feira, 3, a compra da fabricante brasileira de sucos Bela Ischia Alimentos, que tem sede em Minas Gerais, em um negócio de R$ 218 milhões. Essa foi a segunda transação da companhia no País. Em 2015, ela havia adquirido por R$ 580 milhões a Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos (Ebba), detentora dBrasil produz 8% do volume total do grupo

Segundo comunicado da Britvic, a aquisição da Bela Ischia vai expandir a atuação do grupo britânico no Brasil em Estados como Rio de Janeiro e Minas Gerais, complementando a presença que havia obtido com a compra da Ebba, que tem mais força em São Paulo e no Nordeste. as marcas Maguary e daFruta

“Nossa auditoria identificou significativas sinergias de custo e potencial de expandir a receita com um portfólio mais amplo de marcas e de presença geográfica. Como resultado, estamos confiantes de que a aquisição criará uma fantástica plataforma para consolidar nossa posição estratégica no Brasil e gerar valor adicional ao acionista nos próximos anos”, disse o presidente executivo da Britvic, Simon Litherland, no comunicado emitido ontem. 

O presidente da consultoria especializada em bebidas e alimentos Concept, Adalberto Viviani, também destacou o ganho de sinergia proporcionado pelo negócio, o que poderá se reverter em uma margem maior. “O segmento de sucos prontos tem baixa rentabilidade, que varia conforme o portfólio da empresa. Por isso, um ganho de sinergia é importante”, disse Viviani ao Estado. 

De acordo com o consultor, o grupo britânico também poderá melhorar o sistema de distribuição de suas marcas no Brasil, principalmente no Rio de Janeiro, um dos maiores mercados de suco do País e onde a Bela Ischia tem presença mais significativa. A logística é hoje um dos principais desafios do setor. “As empresas dependem da distribuição feita por terceirizados e, com exceção da Coca Cola (dona das marcas Del Valle e AdeS), ninguém tem um bom sistema de distribuição.” 

A expectativa do grupo Britvic é que a conclusão da aquisição da Bela Ischia ocorra no final de março, após processo de auditoria e análise dos números da empresa brasileira. 

Resultados. 
Nos últimos 12 meses, a Bela Ischia teve faturamento de R$ 160 milhões e lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de cerca de 18,5 milhões. Já o faturamento da Ebba somou R$ 471 milhões em 2016. 
Além do Brasil, o Britvic, que tem expandido sua atuação internacional, está na França e na Irlanda. Nesse último e no Reino Unido, a companhia tem um acordo com a PepsiCo para produzir e distribuir os refrigerantes Pepsi e 7UP. 
No ano fiscal encerrado em dois de outubro, o grupo registrou um incremento de 10% em sua receita, que totalizou £ 1,4 bilhões (aproximadamente R$ 5,6 bilhões). O Brasil teve uma participação de 6,3% nesse total. A companhia está no seu segundo ano de um plano de investimentos de três anos que somará £ 240 milhões (cerca de R$ 960 milhões).