NOTÍCIAS
compartilhar este link
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
Modelo Consecitrus II

04/02/2014 16:13:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Momento de unir forças

01/11/2013 12:43:00
A safra de Steger

19/08/2013 19:09:00
Informação compartilhada

09/08/2013 11:09:00
Os caminhos da citricultura

25/04/2013 13:01:00
Citricultura na TV

11/04/2013 15:11:00
Laranjas em queda

11/04/2013 14:24:00
Doenças avançam

08/04/2013 12:23:00
Novos rumos para a laranja

13/03/2013 16:02:00
Os números da safra

08/03/2013 15:47:00
O mapa dos citros na Europa

03/01/2013 11:29:00
Menos laranja na Flórida

12/12/2012 15:06:00
Europa desvendada

16/10/2012 15:29:00
07/11/2016
Empresa quer comercializar mosca transgênica no Brasil

Folha de São Paulo - 07/11/2016 - Inseto da espécie Ceratítís capitata é o pior inimigo da produção de frutas

A gigante da área de biotecnologia Intrexon, que controla a Oxitec —famosa por causa dos mosquitos aedes transgênicos, quer trazer mais um inseto geneticamente modificado para o país.

Trata-se de uma versão da mosca-do-mediterrâneo, popularmente conhecida como mosca-da-fruta, não à toa considerada a pior praga para o cultivo de frutas, com prejuízo anual mundial na casa dos US$ 2 bilhões. A mosquinha transgênica possui um mecanismo de limitação do crescimento semelhante ao do aedes transgênico: seus filhotes não chegam à fase adulta.

A tática é liberar somente os machos nas áreas de cultivo de frutas como manga, uva, acerola, goiaba e laranja (para citar só algumas das 200 espécies afetadas) para que eles encontrem e copulem com as fêmeas selvagens. Como desse encontro não haverá filhotes, o tamanho da população diminui.

Em conversa com a Folha, Sekhar Boddupalli, presidente da área de proteção à lavoura da Intexon, afirmou que a ideia é dar entrada no pedido para que os primeiros testes sejam realizados no Brasil já no começo de 2017. "O Brasil é um dos líderes mundiais na produção de alimentos. Essa solução não é só boa para o produtor local -que está fazendo um ótimo trabalho nos últimos 20 anos—, mas também para o mundo. No inverno europeu, melões, mangas e outras frutas são importadas do Brasil."

A Intrexon está celebrando a inauguração da biofábrica da Oxitec em Piracicaba, com capacidade para produzir 60 milhões de Aedes aegypti semanalmente. Para a produção das moscas das frutas modificadas, utiliza-se da mesma tecnologia.

Como a nova fábrica foi montada em apenas cinco meses, o mesmo tipo de planta pode ser facilmente replicado em outras partes do país, como o Vale do São Francisco, na região de Juazeiro, onde os produtores de manga sofrem com a peste.

Por lá já existe a Moscamed, Organização Social que produz insetos estéreis por raios X capazes de limitar o crescimento populacional, tal qual os transgênicos. Essa tecnologia usada ali é mais antiga e já está consolidada.

O problema na região é que não há verba governamental para que insetos possam ser produzidos e liberados, afirma o presidente da Moscamed, Jair Virgínio. O custo de produção na fábrica, que fica em Juazeiro, na Bahia, varia entre US$ 400 e US$ 700 para cada milhão de moscas liberados. 

A meta da Intrexon, diz o chefe de operações, John McLean, é ter moscas-do-mediterrâneo mais baratas e "previsíveis" do que as irradiadas, já que há risco de elas levarem mutações não mapeadas para o ambiente. Virgínio, que também estudou os insetos transgênicos, acha difícil a Oxitec conseguir um preço mais baixo. "Nós não precisamos pagar royalties dessa linhagem que irradiamos", diz. "O custo de produção dos dois tipos de mosca é parecido, e o investimento inicial com os irradiadores já foi absorvido pelo Brasil."

Para ele, existem outros problemas na fruticultura, como a falta de aprovação para o uso de inseticidas e de outros insetos importados como controle biológico. "O jeito é cada produtor rezar para seu santo de devoção."

A Ceratitis capitata chegou ao país no começo do século 20, relata João Maria de Souza, geneticista da UFRN. Logo, por causa do alto número de possíveis hospedeiros, ela estava em todo lugar. Até frutas selvagens praticamente sem polpa servem de alimento para as larvas. "Com ela, é assim: 'Se só tem tu, vai tu mesmo'", brinca. Para ele, outra técnica que pode ser usada no combate à mosca é a infecção dos insetos com a bactéria wolbachia, técnica que tem ganhado espaço em testes para controlar a população de A. aegypti.