NOTÍCIAS
compartilhar este link
NOTA: CitrusBR e o Consecitrus

22/09/2017 16:11:36
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
08/09/2016
Sistema de previsão alerta para risco de podridão floral

Fundecitrus - 08/09/2016 - Pesquisadores têm observado as regiões central e sul do estado de São Paulo.

Nos primeiros dias de setembro chuvas frequentes têm sido observadas nas regiões central e sul do estado de São Paulo e o sistema de previsão da podridão floral dos citros desenvolvido pelo Fundecitrus enviou alerta de “risco extremo” aos citricultores, principalmente para as regiões de Santa Cruz do Rio Pardo, Iaras, Avaré, Itapetininga e Taquarituba, e "risco alto" para as demais regiões do Estado de São Paulo, onde houve registro de chuvas. Isso indica que o citricultor mesmo tendo aplicado o fungicida antes das chuvas que começaram na sexta-feira (02) e se estendem ao longo da semana, deve fazer a reaplicação do produto logo após os dias de chuvas, uma vez que as flores ficaram molhadas por mais de 48-72h consecutivas.

De acordo com o pesquisador do Fundecitrus Geraldo J. Silva Junior, o fungicida mais indicado para essa situação de alto risco é a mistura de triazol é estrobilurina.  “As pulverizações para o controle da podridão floral devem ser sempre realizadas de forma preventiva antes de chover. Entretanto, se chuvas ocorrerem por dois ou três dias consecutivos e resultarem em molhamento prolongado por mais de 48-72 horas, o fungicida deve ser reaplicado, principalmente se os botões estiverem expandidos e as flores abertas. O ideal é fazer essa reaplicação em, no máximo, dois ou três dias, após chuvas prolongadas”, explica.

Para aumentar o rendimento operacional e proteger toda a fazenda em curto período de tempo, é recomendável a utilização de velocidades de aplicação mais altas (até 7 km/h) e volumes de calda mais baixos (de 20 a 40 mL/m3 de copa), sendo a dose recomendada do fungicida mantida por hectare.

O florescimento das laranjeiras, iniciado em agosto, promete gerar uma excelente safra em 2017/2018. Entretanto, desde o início de agosto foram registrados de mais de 125 mm, sendo que em três períodos o molhamento foi prolongado e atingiu de 35 a 50 horas, o que aumentou consideravelmente o risco de infecção das flores.

“É recomendada atenção redobrada nos pomares localizados nas regiões central, sul e sudoeste do estado de São Paulo. Nas áreas onde foram registradas essas chuvas sequenciais, a aplicação deve ser realizada novamente essa semana para evitar infecções das flores e posterior queda dos frutos”, ressalta Silva Jr.

Mais informações podem ser obtidas no manual técnico de podridão floral e no material do curso de podridão floral realizado este ano em várias regiões do parque citrícola.

O sistema de alerta de podridão floral é um serviço gratuito do Fundecitrus e está disponível a todos os citricultores. Quem tiver interesse em fazer uso do sistema de previsão deve entrar em contato com o Fundecitrus pelo telefone 0800 112155 ou (16) 3301-7000 ou pelo e-mail comunicacao@fundecitrus.com.br.