NOTÍCIAS
compartilhar este link
NOTA: CitrusBR e o Consecitrus

22/09/2017 16:11:36
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
Modelo Consecitrus II

04/02/2014 16:13:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Momento de unir forças

01/11/2013 12:43:00
A safra de Steger

19/08/2013 19:09:00
Informação compartilhada

09/08/2013 11:09:00
25/07/2016
Sul de Minas tem aumento de casos de greening

G1 - MG - 25/07/2016 - Segundo Instituto, pomares de 20 cidades da região registraram a doença. Produtores também monitoram vizinhos para evitar avanço do problema.

Citricultores do Sul de Minas estão preocupados com o avanço do greening na região. Segundo o Instituto Mineiro de Agropecuária, pomares de 20 cidades da região registraram casos de greening.

O Sul de de Minas é responsável por 30% da produção de todo o estado. Erradicar os pés infectados e combater o mosquito transmissor são as únicas alternativas dos produtores para segurarem a doença.
“Ela é traiçoeira, porque os sintomas vêm depois de seis meses a um ano depois que a bactéria é inoculada na planta. Então o produtor tem que ficar muito atento aos sintomas do greening na propriedade, porque quanto mais rápido se erradica a planta, mais saudável vai ser o pomar deste produtor. Não adianta o produtor achar um galho com greening e podar. Isso aí já foi feito pesquisa, porque quando a bactéria está na planta, ela anda no floema e no xilema. Quer dizer que ela vai para a raiz e vai para as folhas”, explica o engenheiro agrônomo José Maria de Carvalho.

A doença se espalha rapidamente e estraga os frutos. Na fazenda do produtor Rafael Arcuri Neto, dos 25 mil pés, 200 foram atingidos. Com medo de perder toda a plantação, ele cortou os pés doentes.
“Infelizmente essa é uma doença aonde não existe cura, a única forma é controlar, arrancando os pés doentes, controlando a presença do mosquito que transmite a doença e cuidando dos pés sadios”, afirma o produtor.

Além de erradicar os pés, é preciso fazer a pulverização para combater o psilídeo, mosquito que transmite a doença. “Ele introduz o estilete, e nesta salivação, que é intensa, ele inocula a bactéria na planta sadia, então a planta fica contaminada, porque o psilídeo é um vetor da doença”, conta Carvalho.

Em Três Pontas (MG), o greening também assusta. Em uma propriedade, por exemplo, 10% da área de um pomar foi atingida. “Tem muita planta que não está contaminada, então essa aí nós vamos mantendo. Mas a que aparecer contaminada, a solução é decepar. Não tem outra coisa a ser feita”, afirma o citricultor Agenor Garcia Rosa.

Pomares abandonados, sem cuidado, também são um risco para citricultura. Por isso, Rosa não desgruda o olho do vizinho. “Além de fazer a parte da gente, é apressar o vizinho para que faça, porque senão o prejuízo é de todos”, conclui Rosa.