NOTÍCIAS
compartilhar este link
NOTA: CitrusBR e o Consecitrus

22/09/2017 16:11:36
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
Modelo Consecitrus II

04/02/2014 16:13:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Momento de unir forças

01/11/2013 12:43:00
A safra de Steger

19/08/2013 19:09:00
Informação compartilhada

09/08/2013 11:09:00
10/02/2016
Consumo de suco de laranja recua 3,9% nos EUA

10/02/2016 - Segundo relatório da Nielsen, o volume total consumido passou de 42,97 milhões de galões para 41,29 milhões de galões no período

O mais recente relatório da Nielsen sobre o consumo semanal de suco de laranja nos Estados Unidos apontou mais uma queda na demanda pela bebida. A análise das últimas quatro semanas com término em 23 de janeiro, apontou uma queda total nas vendas de suco de laranja, da ordem de 3,9%. Com isso, o volume caiu de 42,97 milhões de galões (162,42 milhões de litros) para 41,29 milhões de galões de 3,78 litros (156,07 milhões de litros), incluindo não só o suco refrigerado (NFC e Reconstituído), mas também o suo de laranja congelado. 

Nesse mesmo período o preço médio do galão de suco também recuou 0,5% e fechou em US$ 6,53 (R$ 6,75 o litro) ante US$ 6,56 (R$ 6,79 o litro) registrado no relatório anterior. Apesar dessa leve queda do preço médio nas gôndolas, a receita com as vendas segue em queda de 4,4%, fechando em US$ 269,74 milhões (R$ 1,06 bilhão).

Dentro desse total, o suco reconstituído registrou a maior queda percentual em volume, 8,1%, passando de 15,04 milhões de galões (56,85 milhões de litros) para 13,83 milhões de galões (52,27 milhões de litros). Essa retração fez com que a receita também seguisse ladeira abaixo, com redução de 8,6%, passando de US$ 74,90 milhões para US$ 68,43 milhões. Já o preço recuou meros 0,6% e fechou o período em US$ 4,95 o galão (R$ 5,10 o litro).