NOTÍCIAS
compartilhar este link
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
Modelo Consecitrus II

04/02/2014 16:13:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Momento de unir forças

01/11/2013 12:43:00
A safra de Steger

19/08/2013 19:09:00
Informação compartilhada

09/08/2013 11:09:00
Os caminhos da citricultura

25/04/2013 13:01:00
Citricultura na TV

11/04/2013 15:11:00
Laranjas em queda

11/04/2013 14:24:00
Doenças avançam

08/04/2013 12:23:00
Novos rumos para a laranja

13/03/2013 16:02:00
Os números da safra

08/03/2013 15:47:00
O mapa dos citros na Europa

03/01/2013 11:29:00
Menos laranja na Flórida

12/12/2012 15:06:00
Europa desvendada

16/10/2012 15:29:00
18/06/2015
Fiscalização é arma contra o cancro

Globo Rural - 18/06/15 - Intenção é realizar iniciativas de educação sanitária além de ações contra o comércio clandestino de mudas

Reforçar a fiscalização e garantir a produção de mudas sadias é a principal meta da Campanha de Erradicação do Cancro Cítrico, iniciativa existente no Brasil desde 1974. É o que afirma seu atual coordenador-geral, o fiscal agropecuário Ricardo Raski, nomeado nesta semana pelo Ministério da Agricultura (Mapa). Um dos principais focos de ação, segundo ele, está nas barreiras rodoviárias. 

“Uma das formas mais comuns de propagar o cancro cítrico é por meio de mudas não fiscalizadas, que podem ser produzidas com materiais contaminados. Por isso, reforçar esse trabalho nos estados é uma das ações para impedir o comércio clandestino”, diz Raski, de acordo com nota divulgada nesta quarta-feira (17/6) pelo Ministério. 

Ainda de acordo com o comunicado, outra linha de atuação será na educação sanitária. O objetivo é alertar diferentes segmentos da sociedade sobre o risco da doença representa para a geração de renda e empregos na citricultura.

O cancro cítrico é provocado por uma bactéria que penetra nos tecidos dos ramos, das folhas e dos frutos pelas aberturas naturais ou ferimentos causados por espinhos, material de colheita e também o trânsito de veículos em áreas contaminadas. A bactéria pode se deslocar por dezenas ou mesmo centenas de metros e infectar novas plantas e pomares.