NOTÍCIAS
compartilhar este link
NOTA: CitrusBR e o Consecitrus

22/09/2017 16:11:36
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
Lista PIC

21/05/2015
Greening causa perdas na China

17/04/2015 15:30:27
Heinz e Kraft anunciam fusão

26/03/2015 17:11:06
Uma doutora em defesa do suco

09/03/2015 15:48:52
Um viva para os benefícios

02/03/2015 15:03:31
Modelo Consecitrus II

04/02/2014 16:13:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Momento de unir forças

01/11/2013 12:43:00
22/10/2014
Coca-Cola anuncia corte de despesas de US$ 3 bilhões

Bloomberg - 22/10/2014 - Queda nas vendas na América do Norte e lento crescimento em outros países comprometeram resultados da companhia

Depois  de registrar um desempenho abaixo do esperado pelo mercado e pelos acionistas, a Coca-Cola Co. anunciou que irá reduzir suas despesas em US$ 3 bilhões anuais até 2019. O anúncio foi feito pelo CEO da companhia, Muhtar Kent, que foi duramente criticado pelos acionistas por não responder à crise com a agilidade necessária. Em janeiro, o executivo já havia se comprometido a diminuir os custos em US$ 1 bilhão até 2016.

As vendas da maior fabricante de refrigerantes do mundo no terceiro trimestre do ano fiscal caíram para US$ 11,98 bilhões, ante registro de US$ 12 bilhões no mesmo período do ano passado. O valor também foi na contramão das previsões dos analistas, que estimavam lucro de US$ 12,14 bilhões para o trimestre.

O  volume de vendas diminuiu 1% na América do Norte no último trimestre, enquanto o volume mundial subiu 1%. O lucro líquido do terceiro trimestre teve um decréscimo de 14%, chegando a US$ 2,1 bilhões, contra US$ 2,45 bilhões no mesmo período do ano anterior.

Entre  os principais desafios da companhia estão o crescimento internacional lento e a preocupação com questões como a obesidade e o uso de adoçantes artificiais. “Não há dúvida de que precisamos melhorar nosso desempenho em muitos mercados, especialmente marketing de consumo e estratégias comerciais”, disse Kent.

De  acordo com Ali Dibadj, analista da Sanford C. Bernstein & Co, de Nova York, os acionistas podem esperar uma ação mais dramática, especialmente porque não se sabe o quanto esses cortes de custos impactarão em seus bolsos, já que a companhia não indicou quanto desses US$ 3 bilhões economizados retornarão para eles.